borginho-chao

A complexidade do mal

Humanos,

Eu acho que não deveria, mas sempre me espanto. Os humanos possuem tanta complexidade negativa que não há como não se espantar. Por exemplo: pensem em quantos políticos bons vocês têm! Um? Dois? Há algum? Ok, agora imaginem os ruins: são todos os tipos: matadores, traficantes, ladrões, religiosos, ateus, democratas, ditadores. “Ah, Borginho, mas você está dando um exemplo muito específico…” Tá bom… eu não queria ir além pois pode ofender: Quantos bons policiais, pedreiros, advogados, empresários vocês conhecem? Não estou falando que não existem… eu estou apenas perguntando quantos. Ok, memorizem esses bons aí. Agora pensem nos ruins… Pensem em quantos pintores, poetas, desenhistas, locutores, músicos, apresentadores muito ruins vocês conhecem. Agora pensem nos bons. Não adianta, a fauna humana é sempre mais complexa quando se trata de ruindade. Já os gatos não. Os gatos são todos bons porque são muito parecidos. Não há discrepâncias entre gatos. Somos diferentes, mas pouco, não existe um gato que te roube a saúde, que te mate, ou que pinte quadros como o Romero Britto, ou que componha músicas como o Rogerio Flausino, ou que faça piadas como o Paulo Gustavo…. Não há. Nós gatos somos muito mais complexos pro bem e o mal já abdicou de andar conosco, se é que já andou algum dia.

Borges, o gato.

borginho-chao

1 comentário em “A complexidade do mal

Deixar uma resposta para CH e MC Cancelar resposta