569

A escolha de um livro

Fãs,

Que livro ler? Me perguntam isto algumas vezes. Pergunto a mim mesmo também: Que livro ler?

Suponhamos que eu viva cerca de 15 anos… suponhamos… quantos livros posso ler até lá?

E o que devo ler? Alguns me enviam livros pelo correio: leia meu livro, Borginho e diga o que achou. Desculpe, não lerei. O tempo é curto e não estou aqui para descobrir novos talentos, estou aqui para aproveitar o que já está certificado. Papai me falou outro dia: “Já está lendo seu xará de novo?” E eu lhe respondi: “é óbvio, pai! Cada vez que leio encontro algo diferente, entendo de outra maneira”. Compreendo aquelas pessoas extremamente religiosas que ao longo de toda a sua vida só leem o livro de sua religião. Se leem bem, o livro pode ser lido de infinitas maneiras. Leitura ruim é aquela que é sempre igual, que se esgota. Às vezes penso que por mais que leiamos vários, no final da vida somos apenas um único livro. E que livros seriam vocês? Acho que eu seria Mil e Uma Noites. Penso que se uma noite apenas já combina com um gato, imaginem mil e uma.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

Todo dia você lê textos de literatura felina gratuitamente. Agora, é hora de contribuir, votando em mim, Borges, o gato, para competir entre os melhores da web. Clique aqui!

Faça parte do fã clube do Borges, entrando aqui.

Siga o Borges no Instagram: borgesogato.

 

575
Vamos lá, preciso escolher um livro
574
Essas estantes deveriam ser mais baixas
573
Talvez algo de filosofia

 

572
Deixe-me ver… huuum… são tantas opções

570

 

 

568
Escolhendo um livro

 

569
Vou dar uma lidinha nesse aqui
565
“Penso, logo existo”

 

3 comentários em “A escolha de um livro

  1. Borginho,
    Eu seria “Blecaute” de Marcelo Rubens Paiva. Já li zilhões de vezes….
    E fala a verdade, vc estava era procurando petiscos, certo?
    😉

  2. Tu é alto hein Borges?
    Mas justamente antigamente eu pensava que seria bobeira ler ou ver um filme mais de uma vez, mas hoje em dia acho muito bom mesmo, principalmente como você disse “encontro algo diferente, entendo de outra maneira”. E isso é muito bom, só quer dizer que temos outro senso crítico e que provavelmente melhoramos.

Deixar uma resposta para Ethel Marchezini Cancelar resposta