borges-cama

A tristeza da abastança

Fãs,

Há felicidade naquelas mesas imensas de jantar em que cada um senta em um canto e quase precisam de um telefone para se comunicar? Há felicidade na casa imensa com poucos moradores em que eles sequer se esbarram? Há felicidade em uma cama imensa em que a gente sequer se encosta? Pode existir. Mas prefiro minha caixa de papelão do que qualquer possibilidade acima. Minhas irmãs às vezes vêm pra cama de nossos pais que parece um grande palco para nós, ali dormimos e os rabos não se entrelaçam, as almofadas não se tocam, os pelos não se confundem. Penso em todas as felicidades da riqueza: as melhores rações, os melhores veterinários, os melhores petiscos, as melhores areias… mas não consigo deixar de achar, romanticamente, que há tantos sorrisos na pobreza.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

 

borges-cama
borges-cama2

5 comentários em “A tristeza da abastança

  1. Borginho,
    “Em casa onde falta o pão, todos brigam, ninguém tem razão.”
    Ou seja, a pobreza pode ser bela nos romances, mas na prática é muito difícil achar sorrisos onde há carência de tudo.
    Mas vc é jovem…. ainda tem muito tempo para aprender…. rs
    🙂

  2. Borges, na pobreza extrema acredito ser difícil ser feliz, porque falta o básico.. Mas a fartura também não traz, por si só felicidade. Acho que o equilíbrio é que é legal, como por exemplo, essa cama linda e espaçosa pra 3 gatinhos lindos e charmosos.

  3. Concordo com as tias acima, pobreza demais não é legal mas dinheiro tbm não significa que terás felicidade plena…. Uma cama grande como essa fica mais legal quando está cheia de gatos e com papai e mamãe deitados tbm, vc não acha??
    ^^
    Lambeijos meu poeta!!

Deixar uma resposta para CH e MC Cancelar resposta