344

Águas vão rolar

Fãs,

Água mole, pedra dura, tanto bate até que fura. Tanto insisto que mamãe abre a torneira, tanto insisto que mamãe me dá petisco.

Águas passadas não movem moinho. Hoje não vivo mais o abandono, tenho uma família e ganho muito carinho.

Gato escaldado têm medo de água fria. Acumulei experiências, boas, ruins e descobri que medo é uma proteção. Não fosse o medo, eu me lançaria pela varanda, enfrentaria perigosos aspiradores, secadores de cabelo. O medo nos ajuda a manter vivos.

Hoje pensei estas coisas depois que mamãe abriu a torneira para eu beber água. Não foram grandes reflexões, foram apenas pensamentos banais destes que pensamos quando olhamos para algo. Também imaginei o que a água deve ter pensado quando me viu. Ah, talvez vocês digam: água não pensa, Borginho. Pois sou capaz de achar que tudo pensa, nem tudo quer falar, mas tudo pensa. E eu queria que ela falasse comigo, se gosta de minha companhia, da minha língua áspera. Quando acabei de beber, agradeci a ela por me manter vivo, virei as costas e juro que já deitado na cama ouvi: “de nada.”

Borges, o gato – @borgesogato

343
Olhando a água
344
Pensando sobre ela

3 comentários em “Águas vão rolar

  1. Ter gratidão, a todos e a tudo, é o que há de melhor!!! Só recebemos da vida aquilo que temos pra dar!!! :-*

    • Que lindo tia Renata e é verdade..Temos que agradecer o que temos, pois muitos dariam tudo por essa água que nós e o Borginho bebemos!!
      bjss

Deixar um comentário