Cadeira

“Escute, rapaz,
você já parou pra pensar direito
o que é uma cadeira? A cadeira faz
o homem. A cadeira molda o sujeito
pela bunda, desde o banco escolar
até a cátedra do magistério.
Existe algum mistério no sentar
que o homem, mesmo rindo, fica sério
Você já viu um palhaço sentado?
Pois o banqueiro senta a vida inteira,
o congressista senta no senado
e a autoridade fala de cadeira
o bêbado sentado não tropeça,
a cadeira balança mas não cai
É sentando ao lado que se começa
um namoro. Sentado está Deus Pai,
o presidente da nação, o dono
do mundo e o chefe da repartição
O imperador só senta no seu trono
que é uma cadeira co’imaginação
Tem cadeira de rodas pra doente
Tem cadeira pra tudo que é desgraça
Os réus têm seu banco e o próprio indigente
que nada tem, tem no banco da praça
um lugar pra sentar. Mas mesmo as meninas
do ofício que se diz o mais antigo
Têm escritório em todas as esquinas
e carregam as cadeiras consigo
E quando o homem atinge o seu momento
mais só, mais pungente de toda a estrada,
mais uma vez encontra amparo e assento
numa cadeira chamada privada.”
(Chico Buarque. Gota d`água)

——

Humanos,
Não só vocês têm assentos,
sobre as cadeiras também há gatos;
estamos em todos os lugares, é fato,
nem que seja por alguns momentos.
Saibam que ficamos onde quiser
Não importa se há homem ou mulher.
Todo lugar, no fundo, pertence ao gato
Seja cadeira, loja ou jato.

Borges, o gato

 

pessoa-cadeira

4 comentários em “Cadeira

Deixar um comentário