965

Christie Baguera

Olá, amiguinhos. Tudo bem? Sou eu de novo, a Christinha. hihihi

Hoje, Borginho e eu lemos o Livro da Selva do Mogli. Depois, deitei no sinteco, e fiquei me imaginando Baguera. Foi como se a grama cobrisse o chão e árvores brotassem atrás de mim. Pensei: sou parente do Baguera! Eu poderia ser Baguera. Quem, no meio da selva, me avistando, não fugiria de mim? Pensariam: é um filhote de pantera ou é uma pantera anã! Eu seria assustadora, ainda que fosse fofa. No apartamento não. No apartamento qualquer humano bobo passa a mão em mim, quer me agarrar, corre atrás de mim pra me apertar: sou eu que tenho que fugir. Bastaria eu estar rodeada de mato pra tudo ser diferente: aí o humano não ousaria, correria, se esconderia e eu, sequer rugiria, talvez desse um miadinho fino e frágil e, na selva: qualquer um entenderia como um rugido de leão, quase um trovão!

Ass.: A gata Christie

965

4 comentários em “Christie Baguera

  1. O bom da leitura é isso Christie, essas “viajadas” que a gente dá. Agora, se fosse a tia que te encontrasse, ela ia era correr pra te pegar… já falei que não posso ir na selva, porque os leões vão fugir tudo de mim quando meu lado Felícia aflorar…

  2. Eu ia tentar te hipnotizar e roubar pra mim…será que eu conseguiria?? beijinhos divonica da tia Lenziroh e lambeijus dos primos Catarina Amapola e Elvis..

Deixar um comentário