90

Conversas paralelas

Fãs,

Eu estava esparramado na cama, sem nada para fazer. A audição boa proporciona aos gatos, com um pouco de atenção, escolher que conversa quer ouvir. Os vizinhos da direita falavam de viagens:

– Ah, quando fui para Paris, adorei. Mas, sabe, preferi Londres.

– Já eu gostei de ir a Tóquio, depois Tailândia.

E ficaram ali, disputado quem tinha feito as melhores viagens e passado pelos melhores lugares.

Os vizinhos da esquerda conversavam de bebidas:

– Tomei um Whiski envelhecido por 50 anos, estava delicioso.

– Ah, eu tomei outro dia uma bebida que só naquele restaurante sabem fazer, chama-se Hollywood Baby Party é de Vodka com saquê, chiclete e pedacinhos de lichia.

E ficaram ali, disputando quem tinha tomado as melhores bebidas e contando histórias de porres homéricos.

Passei a prestar atenção na conversa dos vizinhos da frente:

– Tu não sabe! Era uma loira, uma morena, uma ruiva e uma negra. Todas olhando pra mim quando cheguei…

– Ih, você não sabe, a irmã do Zequinha, que agora é dançarina daquele programa lá, esqueci o nome… pô, ela tava doidinha pra sair comigo.

E ficaram ali, disputando quem tinha sido assediado pelas mais belas mulheres.

Ah, fãs, os humanos. Tão viajados, tão descolados e tão desejados. Fazem tantas coisas que esquecem o prazer que há em não fazer coisa alguma.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

90

10 comentários em “Conversas paralelas

  1. Aprecio muito o prazer de não fazer nada, Borginho, por isso me identifico com os miaus e essa competição humana, uma busca ridícula por status, muitas vezes, m status que nem poderiam ter, levam os humanos a parecerem mais ridículos do que o são, pois veja só você, por causa dessa busca, trabalham mais e mais para manter o que pensam que podem ter e com isso vivem sufocados em prestações sem fim e nada de aproveitar a delícia do ócio felino, que é grátis, rs…

  2. Borginho, amei! Que tal um bate-papo entre você e o Domenico de Masi? rsrsrsrs… Lambeijos, querido!

  3. Confesso que resisti bravamente a essa arte, mas confesso que nada hoje me é mais prazeroso que fazer quase nada – ainda me dedico a afofar a Skyler nestes momentos perfeitos do meu “dolce far niente”.

  4. Nuh!!!
    Disse tudo!!!!
    Os humanos vivem competindo pra ver quem é mais, quem tem mais, quem viu mais, quem mais, mais, mais….
    Mal sabem eles que menos também pode ser bom!
    Sabichão!!!
    😉

  5. É porque os humanos não tem competência nem para saberem como melhor aproveitarem o que a vida de melhor oferece: curtir preguiça! Coisa que só vcs, felinos fazem tão bem que acho que são doutores nisso 😉 ♥

Deixar uma resposta para Joana Cancelar resposta