Destino

“A porta é a que escolhe, não o homem.”
(BORGES, Jorge Luís. Fragmentos de um evangelho apócrifo)

É como se ela que me convidasse a entrar. Não sei o que há do outro lado. Ela se abre, eu entro, mas de longe, com a imaginação, pois sequer subi todos os degraus da escada. Tenho medo, mas a porta é a que escolhe e não o gato. Ela escolheu que devo entrar. Talvez do outro lado haja um Deus com seus manjares ou um demônio com seu fogo eterno; talvez haja um abraço, talvez um golpe; talvez haja a paz, talvez  a guerra. Tudo isso compõe um leque de incertezas, a única certeza é que a porta já fez sua escolha.

Borges, o gato – @borgesogato

7 comentários em “Destino

  1. Treina nessa porta, Borges, que um dia você participa da “Porta dos Desesperados”, do Sérgio Mallandro, ou de algum “remake” da “Porta da Esperança”, do Silvio Santos.

Deixar um comentário