Dica de Cuidado 6 – Aproximando seus gatos com a tia Ju

dica_de_cuidado_titulo

Christie puxando o saco da tia Ju.Olá, fãs da aniversariante da semana Christie e do Borges, o gato. Tudo bom?

Muita gente tem feito a seguinte pergunta para o Borges: “como faço para unir dois gatos em uma mesma casa.” Vou compartilhar algumas dicas que, provavelmente, vão ajudar.

Primeiramente, o mais recomendável (e que quase ninguém faz), é a famosa quarentena!

Devemos manter o gato novo afastado do gato da casa por, no mínimo, 20 dias. Neste tempo, você deverá levá-lo a um veterinário para realizar o checkup, saber se está tudo bem com a saúde dele e, inclusive, exame de FIV e FeLV (isso evitará que ele contamine o outro gatinho). Se o gato tiver alguma outra doença, no período de incubação, dá tempo de ela se manifestar! Neste período é necessário, também, vermifugar e iniciar a vacinação (o ideal seria fazer toda a vacinação antes de juntá-los, mas isso leva um tempo e quase ninguém espera este período).

Neste tempo, um gato vai se acostumando com a presença de outro, mesmo à distância, a introdução já estará sendo iniciada.

Os gatos têm uma relação muito forte com os cheiros, então devemos começar apresentando um ao outro, mas não cara a cara, mas pelo olfato. Coloque o gato novo em um cômodo da casa com sua caminha, banheira sanitária, brinquedos, água e comida e vá, aos poucos, aproximando a comida e a água da porta para eles irem associando o cheiro um do outro a algo prazeroso, a comidinha.

Quando as comidas estiverem na porta, todos estiverem comendo tranquilamente (um de cada lado ainda) e o gato estiver comprovadamente saudável (com o resultado dos exames)… chegou a hora!

Coloque o paninho de um bem próximo do outro, depois prenda o(s) gato(s) da casa e deixe o novo morador passear pelo novo lar… Comece uma apresentação supervisionada. Eles devem ser apresentados sem “pressão psicológica”… deixe-os livres para transitar pela casa quando quiserem e, a qualquer sinal de agressividade/medo, o processo deve ser reiniciado.

Espero que estas dicas ajudem vocês a aproximar seus gatinhos. Boa sorte e bom trabalho.

Beijos,

 

Juliana Manes

Rua Fernandes Sampaio, 120 lj C Jardim Sulacap
Cidade: Rio de Janeiro / RJ
CEP: 21.741-200
Tel: (21) 3357-9933

17 comentários em “Dica de Cuidado 6 – Aproximando seus gatos com a tia Ju

  1. É uma ótima dica, eu passei por isso a uns meses atrás e realmente você acha que eles nunca irão se acostumar e por mais que leia o relato de outras pessoas, acha que seu caso é sempre diferente!

    Mas calma pessoal, o segredo é paciência, aqui em casa demorou 1mês até eu não ter que me preocupar com as brigas. Vai da certo…
    E falando nisso alguém sabe se a Chris – do primeiro divã- e a Erika conseguiram adaptar os dois gatos??

    Lambeijos!!!

  2. Nossa… Quando eu trouxe a MC pra casa eu ainda era gateira de primeira viagem e quase que o CH matou a MC de tanto fazer: FUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!!!!!! Eu realmente pensei que o CH, que já tinha quase dois anos e era o rei da casa, não iria aceitar a gatinha nova nunca… Depois de muito FUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!! do CH e muito choro meu (hehehe)hoje eles são amigos e a paz reina aqui em casa.
    Dica excelente Borginho e Christie!!! Os papais de primeira viagem precisam ter paciência quando um novo morador chegar!
    BJ!

  3. Eu só tinha a Lilica, mas ela sentia-se muito sozinha, já ficava ansiosa quando começava a me arrumar para sair!! Entao decidi adotar meu pretinho Johnny Black!! Ontem fez uma semana e foi o tempo necessário para se acostumarem!! Neste exato momento estão os dois deitadinhos no meu colo!! Os primeiros dias foram difíceis, pois Lilica descontava a raiva mais em mim no que em Johnny, muito ciumenta!! Kkk Mas ontem para minha alegria ela aceitou, por incrível que pareça ela deixou que ele mamasse nela, adotou como filho!! Claro que não tem leite!! Kkk mas foi uma cena linda!!! Estou muito feliz!!!! E percebo que meus bebes estão muito felizes também!!! 😉

  4. Juliana, queria saber qual exatamente é o exame que se faz para diagnóstico de FIV, pois meus pais que moram em outra cidade possuem uma gatinha doente. Um veterinário diz que ela tem FIV, o outro diz que não, e nenhum veterinário diz algo coerente com o outro. Sou bióloga e sei que há exames bem precisos para diagnóstico, mas não sei qual exatamente os veterinários utilizam pro diagnóstico dessa doença!
    E outra coisa: se a gatinha dos meus pais tiver FIV, e por acaso ela tenha que viver com outros gatinhos que não tem, qual é o risco de contágio?
    Obrigada pela atenção, se puder responder agradeço 🙂

    • Oi Emeline, tudo bom??
      Olha se um gatinho for positivo para Fiv ou Felv, ele só pode conviver com outros gatinhos positivos, caso contrário os que são negativos vão pegar a doença! O risco é grande pois até pela saliva ou caixinha de areia eles podem se contaminar..
      Espero ter ajudado, bjsss

      • Oi! Obrigada pela resposta, ajudou sim!
        O problema é que essa gatinha possivelmente FIV+ já passou por 5 veterinários e nenhum deu o diagnóstico com certeza! Qual é o exame que os veterinários fazem pra ter esse diagnóstico? Vou passar essa informação para o meu pai, pois essa gatinha vive com ele, para ele poder finalmente saber o que pedir ao chegar no consultório e nenhum veterinário enrolar ele de novo. Parece mentira, ela está doente faz uns 2 ou 3 anos já, e meu pai já gastou tanto dinheiro sem nunca saber de verdade o que ela tem. Obrigada pela ajuda!

        • Olha o nome do exame eu não sei, vou mandar um e-mail para a protetora que me doou o Jhonny, ele fez o exame, mas antes que eu o adotasse. Qualquer coisa eu te mando notícias por aqui mesmo!
          Espero que a gatinha fique bem 🙂

          bjs

    • Olá Emeline, peço desculpas pela demora pois tive q me ausentar por uns dias… O diagnóstico deve ser sorológico, existe um exame de sangue q testa as 2 doenças ao mesmo tempo. O RISCO DE CONTÁGIO É PRATICAMENTE 100%

  5. Adorei as dicas. A adaptação depende de gato para gato: minha filha Cat Maionese aceitou o gato Pirulito sem problema algum (inclusive foi ela que o achou na rua e o trouxe aqui para casa). Já, na época que adotei a pequena Lollipop, foi uma tremenda loucura, a mesma Cat Maionese não queria aceitá-la de jeito nenhum. Com tempo e paciência a paz voltou a reinar aqui em casa.
    Querido Borginho, use as dicas da DRa Juliana e as aplique aí na mansão do Grey. Tadinho você nem deixou ele brincar no castelo da Christie… quero muito ver vocês três bem amigos!
    Lambeijos!

  6. Pois é….
    Estou passando por isso. Um novo gatinho apareceu aqui em casa. Tem cerca de 1 ano, siamês, assim como a gatinha da casa, a Lola. Isso já faz um mês. Já o levamos ao veterinário, já vermifugamos, começamos a vacinação, e depois de duas semanas, iniciamos sua entrada em casa, até então ele ficou num apartamentinho que temos anexo a casa. Só que… já faz uma semana e Lola não o aceita de jeito nenhum, sopra, bate e ruge, sempre sempre sempre. O que fazer? Francisco só bateu nela ontem, depois de tanto apanhar, coitado… Mas deu só um tapinha. Ele fica é apaixonado por ela. Deita no chão, rola, tadinho…
    Dicas!!!! Please!!!!
    Assinado: a desanimada e desapontada… mãe da Lola e do Francisco

    • Calma Jô, não se desespere!!!
      Eu passei por isso e aliás estou passando de novo.. Eu já tinha o Diego à 7 meses quando adotei o Jhonny, o Diego com 4 dias da chagada do Jhonny já queria brincar e se divertir, já o Jhonny avançava, rosnava e chegou a avançar no Diego quando eu estava com ele no colo, sai toooooda arranhada e sangrando. Demorou 3 semanas para eles poderem ficar soltos juntos sem se bater e mais outra semana para poderem brincar juntos. Demora mesmo, não fique assim!!
      Nesse sábado eu adotei o Oliver, um gatinho da raça ragdoll bastante arredio (o que não é nem um pouco normal), ele já está solto na casa e até o momento não houve nenhum conflito, ou seja, quando você adotar um terceiro as coisas vão ser bem mais rápidas!!!
      Leia os meus comentários a cima e veja melhor como foi a adaptação aqui em casa. E não esqueça de cortar as unhas dos dois gatinhos.. Boa Sorte, beijos!!!

  7. Ô Alexandra… Obrigada pela resposta. Mas ando desanimada mesmo 🙁
    Hoje, domingo, eles se pegaram. A Lola parece que a cada dia que passa aceita ele menos ainda… Estou pensando em doá-lo. Isso vai cortar o meu coração, pois ele já se apegou muito ao meu marido e vice-versa… Mas persistiremos por mais algum tempo, já que temos um espaço que propicia eles ficarem separados, mas confortáveis. O problema é que ele mia, mia, cada miado mais forte e doído porque está do lado de fora da casa…
    Beijos a todos

    • Jô não fica assim não, o Jhonny também passava o tempo todo miando, não podia ouvir nenhum barulho na casa que começava a miadeira, ele rosnava pro Diego, tipo gato quando briga no telhado, sabe??
      Eu sentia que o Diego estava triste e que adotar o Jhonny talvez não tenha sido a melhor coisa, massssss…. Hoje os dois estão juntos todo tempo, Jhonny vive pedindo pro Diego lamber ele. Demorou 1mês mas valeu a pena, não desista!!! Já vi gatinhos que demoraram 8meses e são inseparáveis, só comem se for ao mesmo tempo e tem que ir ao veterinário junto pq se não ficam desesperados sem o outro!!!

      NÃO DESISTA!!!!!!!!!!!

  8. Alexandra, querida ouvinte rs
    Eu e meu marido conversamos bastante hoje e realmente não dá para desistir dele… Afinal, ele “apareceu” aqui em casa, entre tantas casas e muros… Acreditamos qie ele foi enviado para nós. É nossa responsabilidade. E o que é um mês em comparação a 8 meses, não é mesmo? rsrsr “A luta continua”.
    Beijinhos

  9. Boa noite meu querido e lindo amigo Borges e queridos gatofilos de plantão. To vivendo um desespero semelhante o de vcs , embora meus bbs ainda nao chegaram ao ponto da agressão física só a diversos fuzzzzz e uivos da minha filha mais velha Shira. Tudo começou quando ganhei de presente meu lindo e doce Bone, que alias Borges, e branquinho que nem vc, achei sinceramente q pelo temperamento de persa da minha linda Shira q inclusive se da super bem com outros animais, inclusive as calopsitas da casa, jamais pensei q ela ia se dar mal com o companheirinho de 3 meses da mesma raça que ganhei. Mas adorei as dicas e vou aplicar as q posso. Desejo sorte para todos q estiverem passando pela mesma situação. Bjus Dani mãe do Boné Cat e Sá Ciumenta Shira

Deixar um comentário