Fim da humanidade, vive a Gatidade

385617_107409979432165_336445594_n

Fãs,

Eles juram que o mundo acaba hoje. Pois que acabe. Decretado o fim dos humanos, viveremos nós e as criaturas que crerem em nós, inclusive humanas ou pós-humanas, no paraíso chamado Gatidade.

Gatidade é mais que um abrigo nuclear, Gatidade é um abraço, um colo de mãe que protege mais dos mísseis que qualquer metal.

Na Gatidade choverá ratinhos.

Na Gatidade comeremos sachê e não passaremos mal.

Na Gatidade o governo felino tornou lei dormir pelo menos 12 horas por dia.

Na Gatidade os perfumes têm cheiro de peixe.

Na Gatidade não há trabalho, não há patrão, não há donos, só há família.

Na Gatidade, há o que há de melhor: há gatos.

logo2

O mundo acabou para vocês, mas continuará aqui.

Gatidade, a terra felina. Mais perfeita que a República de Platão, que a Cidade de Deus de Agostinho de Hipona, que Pasárgada de Bandeira, que Grândola Vila Morena de Zeca Afonso, que a Cidade Ideal de Chico Buarque.

ENTRE E SE TORNE MEMBRO DA GATIDADE. SÓ SERÃO ACEITOS OS QUE ACEITAM UM GOVERNO FELINO.

Na Gatidade Ratos Caem do Céu (Roberta Perczynski)

Desenho, vovô Rogerio do blog Humor de Cada Dia.

 

 

 

gato

12 comentários em “Fim da humanidade, vive a Gatidade

  1. Oi Borginho, lindo o seu fim do mundo…eu praticamente já vivo na gatidade (pelo menos aqui dentro de casa)…..que o Mundo se renove nesse “fim do mundo” para um lugar melhor, onde os princípios da gatidade se façam presentes!! Rs

  2. Borginho eu tbm ja vivo em clima de Gatidade, pq aqui em casa são os trigatos que governan, já q uma boa parte do meu salario vai para os impostos que termina no petshop em rações, camas (q eles não dormem) e brinquedinhos( o sofá é o melhor brinquedo). Além do amor incondicional e de achar lindo o papel do banheiro rasgado!!!! Eu ja estou rendida!!!! Brincadeiras a parte eu amo a Gatidade!!!!!

  3. Aqui em casa a Gatidade é quase uma “Sociedade Alternativa” do Raul Seixas, pq eles fazem o que querem, pois é tudo da leiiiiiiiiiiiii

Deixar um comentário