479

Gasparzinho

Fãs,

Gosto desses dias escuros de chuva em que o vento bate na quina dos prédios e assobia uma canção. São dias diferentes, em que as pessoas estão mais silenciosas, reclusas. São tempos em que pela casa há mais cobertores espalhados, mais fumaça de comida e que o banheiro está sempre com neblina. São tempos em que as pessoas estão mais sensíveis para acreditar em qualquer coisa, pois precisam se aproximar umas das outras para receber calor humano. Mamãe anda de meia de gatos pela casa. Meu pai anda com calças que sobreviveram ao seu tempo de escola. Christie passa seu dia metida debaixo das cobertas. Eu não. Eu sinto-me um gato polar e sinto que pertenço ao frio, que por algum motivo pertenço aos infernos de Genebra, que moraria lá e morreria lá. Por isto, acho que ainda agora que todos em casa sentem frio, eu sinto calor. E fico livre das cobertas e dos agasalhos sobre a cadeira. Christie, além de frio, tem medo de fantasmas: “Dizem que nós gatos somos mais propícios a vê-los, Borginho!”; “Besteira!”, digo. “Pra garantir que eu não veja nenhum, só ando com meus olhos fechados nestas noite de inverno!” Já que ela insiste em sentir tanto frio, gosto de dar-lhe sustos que aquecem a sua alma. Papai apaga a luz, eu permaneço sobre a cadeira. Eu a chamo: “Christieeeeee…. Christie……” Ela vem, seguindo o som, esbarrando em todas as paredes com seus olhos fechados. Quando chega perto, digo: “Buuuuuu!” Ela abre os olhos e vê um vulto branco na sala, sou eu, mas ela não sabe. Corre e acorda meus pais. Eles acendem a luz e me desmascaram. Eu tento argumentar: “Papai, sou um fantasminha camarada!” Mas ele me pega pelas orelhas e diz: “Vou torcê-las tanto que vão ficar quentes até com esse frio. Christie ri de mim. O riso, assim como o susto, aquece a alma. Sou camarada.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

480
Luz apagada
479
Luz acesa

6 comentários em “Gasparzinho

  1. hahahahahahahaha é cada uma que você apronta hein Borges! eu me divirto com suas peripécias! beijos e afagos pra você e Christie

  2. Poxa Borges, texto como os de antigamente. Maravilhosa a sua crônica! A primeira parte, quando você descreve um dia frio, foi perfeita. Bjs!!

  3. kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Eita menininho capetinha.
    Borginho ficaria com medo de tu vendo desse jeito. Tá assustador nessas fotos. No maior clima de terror daqueles que eu tinha medo quando criança (tipo Freddy Krueger). Medo.

Deixar uma resposta para Sophia Cancelar resposta