703

Mão e contramão

Fãs,

Há que se saber que gatos, assim como pessoas e carros, precisam manter alguma lógica para se movimentar. Pois não há coisa pior que dois gatos, ao correrem, se esbarrarem. Podem ferir-se e/ou juntar pelos de um nos outros e confundirem-se as pelúcias. Se um sobe um degrau tem que ser de tal forma que não coloque em risco a integridade do outro. Eu não tolero imprudências, ando com cautela pelo meu canto, confesso, modéstia à parte, que controlo bem esta máquina chamada gato na qual eu vivo dentro. Já Christie não, corre demasiadamente, choca-se com tudo, não respeita as leis de trânsito. Em locais espaçosos como a sala, menos mal. Porém, no corredor, muito mal: obstrui caminhos, causa confusão, suja-me com seus pelos. Hoje mesmo recebi uma fechada, ela me ultrapassou pela direita. Encostei nela e falei-lhe uns palavrões daqueles cabeludos que sei falar: “energúmena desaventurada desvairada ensandecida”. E ela me respondeu: “Muito obrigata, Borginho, eu o fecho no trânsito e você ainda me recita uma poesia.”

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

703
Mão dupla
704
Briga de trânsito

 

2 comentários em “Mão e contramão

Deixar uma resposta para Alexandra Martins Cancelar resposta