14

Neighbors

O título vai em inglês. Não que eu agora esteja metido à besta ou veja qualquer superioridade no inglês. Apenas acho que “Neighbors” transmite mais a atmosfera assustadora do que a palavra “Vizinhos”. Eu consigo imaginar uma trilha sonora horripilante e depois a voz do locutor falando “Neighbors, coming soon”. Mas não consigo pensar num filme de terror intitulado “Vizinhos”. A palavra em português é tão carinhosa, fofa até, parece um diminutivo. Parece que existem os vizos que são os de tamanho normal; os vizões que são os grandes; e os vizinhos que são os pequenininhos.

Trata-se aqui de criar um clima assustador. Sendo assim, fico com “Neighbors”. Mas por que isto? Pois o tio Sartre, o francês, dizia que o inferno são os outros. E há coisa mais “outros” que vizinhos? Aqui deste lado estão minhas coisas, do outro lado da parede, as coisas dos outros. Este é meu carro, aquele é dos outros. Sendo assim, num prédio só existem duas possibilidades: ou as coisas são minhas e estão comigo; ou estão no inferno (com os outros).

Confesso que poucas vezes vi os tais “Neighbors”. Na verdade, sei que existem mais pelo olfato e pela audição do que pela visão. Reconheço o cheiro do peixe frito da moradora do 315; da geladeira azeda do apartamento 116; do perfume de cânfora da dona do 203. Sempre ouço as músicas do 201; as vozes do 307; os puns do tio do 404 e os gritos estranhos da tia do 312, dados durante à noite, mas que ainda não descobri exatamente o que são.

Este é meu filme de terror. Um filme de baixo orçamento, com poucas imagens, mas que compensa com seus efeitos sonoros e olfativos.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

 

6 comentários em “Neighbors

  1. Ah Borges. O texto todo é ótimo, mas os vizos, os vizões e os vizinhos, foi impagável. Ótima constatação. Bjs, fofo <3 !!

  2. Bem intrigante este texto Borges, mas não consegui deixar de pensar enquanto lia:- será que esta janela está sem tela? Bjs lindinho.

  3. Dá pra ser perfeito à enésima potêmcia?!?!?! Dá – é só ler Borges, o gato!
    Uau, Borginho! Sua obra literária é cinematográfica! Felina, psicológica, terapêutica, de vanguarda…. Você vai sempre além!
    #AmoBorgesMuso!

Deixar uma resposta para Linda Cancelar resposta