571

O doce macarrão azul

Fãs,

Acho extraordinário meu pai ter um tênis azul. Minha casa é um festival de cores que contrasta comigo e com minha irmã que somos preto e branco. O tênis do meu pai, sobre o tapete colorido, parece uma cena de Meu Pedacinho de Chão. Eu imagino que seu tênis seja doce, ainda que digam que gatos não sintam o doce no paladar, mas sentem na imaginação. Vocês humanos, por exemplo, sentem Doce, Salgado, Azedo, Amargo, mas não sentem o sabor Albrado. Albrado é um paladar que só gatos sentem, azar se vocês não conseguem imaginar. Mas, volto ao assunto. O tênis do meu pai parece doce, mas não doce como pé-de-moleque, paçoca, cocada. Doce como esses doces novos: macarons, marshmallows e por aí vai. Eu gosto de começar a comer pelos cadarços: é uma macarronada de doçura. Papai não deixa: faz mal, Borginho. Pobre papai, é influenciado por estes nutricionistas modernos que só aplaudem a ingestão de produtos naturais e seu tênis é por demais industrializado.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

570

571

3 comentários em “O doce macarrão azul

Deixar uma resposta para Ethel Marchezini Cancelar resposta