385

Os mistérios da cama

Fãs,
Pois quando me deparei com a cama de senhora minha mãe, decepcionei-me. Digo decepcionei-me, pois a cama sempre foi o meu lugar favorito para deitar. Não que esta não tenha um espaço belo e acolchoado em cima. Mas digo embaixo, agora não há mais o embaixo da cama, não há mais o imenso esconderijo. O que há são gavetas, inúmeras, como se fossem portas: Tebas das Sete Portas. Tento engavetar-me, caibo ainda que apertado. Fico lá, espremido, como um travesseiro, um lençol, algo do tipo que os humanos gostam de deitar em cima, cobrir-se e ficar perto. Resta-me o conforto do colchão e das colchas, fico ali acolchoando ainda mais a cama, chego a confundir-me com os lençóis. Mamãe faz que não me vê e deita em cima, eu faço que ela é leve como uma pluma e não reclamo. Ficamos ali num jogo de fazer de conta, um jogo leve como um sonho.
Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

382
Tentando entrar debaixo da cama
383
Engavetamento
384
Fazendo-me de lençol….
385
Até que chega o sono

 

5 comentários em “Os mistérios da cama

  1. Delicinha da tia, é o seguinte: “Fico lá, espremido, como um travesseiro, um lençol, algo do tipo que os humanos gostam de deitar em cima ” – mas vc é muito mais macio que qualquer travesseiro… Você é gostoso demais, seu gatuno lindo!

Deixar um comentário