Aos céus

197

“Só as coisas rasteiras me celestam” (Manoel de Barros) Nós gatos que nos arrastamos por debaixo da cama, que nos enrolamos nos tapetes, que entramos sob os sofás, que vivemos com a barriga no chão, também queremos os céus. E escalaremos até ele, cada vez mais alto, pulando de nuvem em nuvem num salto tão leve que não … Leia Mais…