O imóvel móvel

645

Olá, fãs! Sonho com o dia em que me reificarei e tornar-me-ei um móvel. Quando digo móvel, digo um móvel imóvel e não um automóvel. Móvel como um armário pesado, uma escrivaninha antiga, um piano de cauda. Quero ficar parado uma eternidade, estático, dormir vivo para aproveitar a vida em sua imobilidade. Tenho por hábito, … Leia Mais…

A angústia de perder pequenas coisas

463

Fãs,

Falem-me da dor de perder algo grande. Falem-me de raiva. Falem-me de sofrimento profundo. Ah, a mãe que perde seu filho. O humano que perde seu emprego. A dor de perder um braço! Mas, perder uma pequena coisa, uma coisa boba, aparentemente desimportante, é o que causa mais angústia. Sabe aquela coisinha que você passa dias e dias procurando, que você revisita várias vezes a memória para tentar lembrar onde deixou? Esta perda é a perda que leva à loucura, que faz com que pessoas façam simpatias e promessas. Quando se perde uma mãe, ah, fica a dor da ausência, mas a mãe já está perdida. Agora, quem perde um objeto, um brinquedinho que seja, passará o resto da vida na angústia pensando: um dia ele tem que aparecer, onde eu o deixei!

Digo tudo isto, pois esta tarde perdi minha “vara de pescar gato“. A primeira reação é: Não, ela não sumiu, apenas coloquei em algum lugar que não lembro qual foi. Olhei debaixo da cama, olhei no banheiro, olhei na varanda e nada. A segunda reação é achar um culpado:

– Christieeeeee!

– Que foi, Borginho?

– Onde está a vara de pescar gato?

– Eu sei lá!

– Claro que sabe, Christie, você brincou ontem.

– Mas eu entreguei na sua pata.

– Ah… mas, mas…

Quando se percebe que não se consegue culpar ninguém, cabe entrar em desespero. Caminhei horas e horas pelo mesmo metro de casa em movimento circular, quase fazendo um furo no chão. Entrei em pânico e fiquei falando sílabas nasalizadas.

– Dãnãbãcãdãdãã

– Que isso, Borginho?

–  Me deixa, tô nervoso que não consigo encontrar o meu brinquedo.

O quarto passo é apelar para o sobrenatural. E daí que você não acredita em sobrenatural?

– São Longuinho, São Longuinho, se aparecer o meu brinquedo eu dou três pulinhos…

– Ei, Borginho, desde quando você é religioso?

– Religioso?

– É, ainda mais Católico! Eu vi você pedindo pra São Longuinho.

– Está enganada, Christie. Eu jamais falaria isso.

– Borginho, se você mentir o brinquedo não vai aparecer.

– Sai da minha frente.

O quinto passo é esquecer o que está procurando, se distrair fazendo uma coisa qualquer e, de repente, esbarrar com o objeto no lugar mais óbvio do mundo.

– Chrisssstieeeeee, achei!

– Ai, que bom, Borginho, tava onde?

– Ali em cima do armário, ontem eu pedi pro papai pendurar pra eu ficar saltando e esqueci. hehehe.

– Viu, seu cabeça dura! Agora dá três pulinhos aí.

– Aaaah, sai pra lá!

Este é o último passo: negar toda a angústia, todo desespero e até as promessas que foram feitas. Afinal, o objeto já apareceu e isto que importa!

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

463 Procurando!

464 Olha lá!! A vara de pescar gato em cima do armário!

Mais borginhos e christinhas

Fãs. A casa está virando um santuário felino. Aqui pra tudo que é lado que olho, vejo gatinhos: em cima do armário tem gatinhos, na mesa da sala tem gatinhos, pendurado no armário tem gatinho, ímã de geladeira de gatinhos e agora mais uma réplica minha e da Christie. Eu já olho esses gatinhos todos … Leia Mais…