O dia em que a Christie ficou famosa

508

– Trim, trim, trim! – Borginho, é o telefone. Mamãe tá ocupada, pode atender? – Ai, mãe, não gosto. – Por favor, Borginho! – Tá bom! Vou atender. – Obrigada. – Alô. – Quem tá falando? – Eu. – Eu quem? – Ah, odeio isso. Pode falar o que você quer! – Aqui é do … Leia Mais…

O pesadelo do gato

478

No começo, eu saltava por campos de catnip que balançavam ao vento com um cheirinho de atum. De repente, fez-se noite. Eram nuvens imensas repletas de água. Eu corria para um lado, corria para o outro. Tentei me abrigar debaixo de um pé de sachê de carne, mas ele simplesmente murchou. Começaram trovões altos, muito altos, mais altos que fogos de réveillon. Era evidente que em poucos segundos ia cair um dilúvio. Christie apareceu em cima de uma pedra imensa, ela gritava: Borginhooooooooooo, Borginhooooooooooo… eu tentava subir, mas não a alcançava. Mario Grey apareceu ao lado dela e falou: deixe-o aí, precisamos ir. E se foram. As nuvens estavam quase encostando em minhas orelhas de tão pesadas.  Decidi me afastar da pedra e ir na outra direção. Surgiram na minha frente 132 ratos bípedes (eu sei porque rapidamente contei). Eles estavam fortemente armados: uns carregavam spray de água, outros secadores de cabelo, outros aspiradores de pó. Comunicaram que queriam me devorar. Eu ajoelhei diante deles e disse que nunca tinha comido um ratinho sequer, que não fizessem isso. Eles falaram que não interessava, que eu estava pagando pela minha espécie. Surgiu, então, uma horda de 3 bilhões de mosquitos (eu sei porque contei) e chupou todo o sangue dos ratos exatamente ali na minha frente. Respirei aliviado: “Não tenho como agradecê-los!” E eles me disseram: “Não há porque agradecer, você é o próximo e sabemos que mosquitos você já devorou muitos!”

Nesta hora acordei. Christie roncava como um velho constipado. Papai estava dormindo normalmente, com sua tradicional roupa de mendigo. Mamãe estava ali, como uma princesa, dormindo de braços abertos como se fosse para me receber. Deitei sobre ela e ronronei. Acho que nunca mais comerei mosquitos, causam má digestão e pesadelos terríveis.

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

478
Dormindo sobre o casaco da mamãe e o cinto do papai.

 

480
No começo o sonho tava bom, mas foi virando pesadelo.
479
Foi nesta hora aí que acordei assustado: mosquitos são indigestos.

Na beirinha do fim do mundo – Episódio 2 de 10

Fãs, Tava tão quente que achei que tivesse morrido e ido parar no inferno. Acordei porque já não podia mais ficar de olho fechado, minhas pupilas estavam cozinhando, precisavam tomar um ar. A primeira coisa que fiz foi lembrar de um pesadelo que tive. Obviamente porque fiquei pensando nessas coisas de fim de mundo ontem. … Leia Mais…