994

Um gato de sucesso

Fãs,

Logo pela manhã mamãe me engaiolou : “Vamos pra PUC!” Tremi. Tremi pois pensei: “fui traído pela minha própria mãe.” Em se tratando de uma universidade, achei que fossem me abrir, me estudar, fazer exames esquisitos: “ah, agora pegamos o gatinho que fala! ah, agora vamos descobrir como ele aprendeu a escrever.” Miei a viagem inteira. Mamãe me acalmava: “Borges, você vai pro instituto que tem uma parceria com seu blog! Borges, ninguém vai te fazer mal.” Eu duvidei. Duvidei pois nunca vi alguém começar numa universidade sem ter passado por uma escola e, como todos sabem, sou um autodidata. Papai me dizia: “Filhote, quando eu era pequeno também chorava muito pra estudar…” Eles não entendiam que os cientistas me roubariam deles…

Ao chegar no Instituto Gênesis, ufa, não vi laboratórios como os da NASA; não vi salas de cirurgia como as do Dr. Frankenstein; não vi nenhum Igor, ajudante de cientista louco. O que vi foi um ambiente de trabalho para mim: Borges, o gato. Na sala tinha laptop, ar-condicionado, cadeiras para reuniões, cadernos para anotações e ainda um porta-retrato  enfeitando a mesa. Trouxeram-me uma gravata: “Dr. Borges, por favor, coloque seus trajes de trabalho.” Engravatei-me. Então me explicaram: “Espero que o senhor possa realizar seus estudos da melhor maneira possível, o Instituto Gênesis vai lhe dar todo o suporte para que o senhor possa levar sua literatura e a Gatidade para onde achar necessário.” Serviram-me sachês, petiscos e água em xícaras capazes de deixar qualquer ser vivente sério. Sacudi a cabeça e a ficha caiu: “Eu agora não era só dono da minha casa, eu era uma celebridade intelectual equipada para conquistar o mundo.” Comecei a anotar ideias, a elaborar fórmulas, a escrever poemas. Às 17 horas, fim do expediente, papai, de quepe, como um motorista, foi me pegar e me trazer de volta pra casa.

Na volta, eu olhava pela janela do carro e pensava: “quem diria que um gato abandonado do Campo de Santana poderia ser adotado pelo mundo.”

Ass.: Borges, o gato – @borgesogato

992
Chegando ao Instituto Gênesis
993
Na recepção.
994
Em minha sala de reuniões
995
O problema das cadeiras pretas é que elas ficam com um pouquinho de pelo

8 comentários em “Um gato de sucesso

  1. Borges, meu amado Algodonildo ❤ Meus olhos se encheram d’água…
    Não sei se consegue imaginar o que estou sentindo… Uma fã doida (no bom sentido…) como eu, faz dessas coisas – chorar de alegria por vc, meu ídolo felino… Lembra daquele monte de “quem diria”, no seu aniversário? É. Quem diria? Acho que nós, seus fãs apaixonados, desde as primeiras linhas… E agora me sinto assim, toda boba, como quem “viu o passarinho verde”! Kkk

    • Aiii Bia passou um filme na cabeça…fiquei muuuuuuuito feliz também, coisas de fãs maluquetes…Reconhecimento dos fãs muito tempo que Borginho possui. Agora voos maiores sempre são melhores….O alcance que Borginho vai ter pra ajudar a causa animal (sem nem ele mesmo ter noção) é mais do que importante. E olhe que nem sei o que realmente esse post significa. Borges cheios de mistérios do jeito que eu gosto kkkkkkk Cenas dos próximos capítulos esperaremos.

      • É mesmo, Paola! Este é nosso Borges – só nos dá alegrias!
        E o mais gostoso: o sucesso dele é o nosso sucesso!
        E o amor? Só aumenta… ❤

  2. Amo vc, cada dia mais! ❤ Merece todo sucesso, amor e petiscos do mundo! E fãs. Muitos fãs. Cada dia mais apaixonados! ❤
    Parabéns ao Instituto Gênesis, pela visão aguçada!
    É… Será que alguém ainda dúvida que os gatos vão dominar o mundo??? Pink e Cérebro perderam! Kkk

  3. Genteeeeeee!!!!
    Como assim? “Papai de quepe ”, tipo: humano, recolha – se à sua insignificância…… hahahah
    Ainda não entendi bem qual é a do Instituto Genesis, mas vou aguardar para ver qual é…..
    Afinal, tb sou filha da PUC….
    🙂

  4. kkkkkkkkkkkkkk Borginho tinha que tirar onda da situação…mal chegou e como diz aqui “ele tá todo se querendo” kkkkkkkkkkk e é pra se achar mesmo. Tu merece isso e muuuuuito mais. Te amo!

Deixar uma resposta para Rita Barreto Cancelar resposta